Pular para o conteúdo

Ciúmes: que emoção é essa que, às vezes, nos impede de ver o amor incondicional?

Ciúmes – Saudável ou Patológico?

Ame de maneira incondicional! Não espere nada, apenas ame! O amor deve ser livre para que possamos ter um casamento possível de se viver.

Eu fui perguntada, recentemente, se eu tenho ciúmes do meu marido. Eu fiz até uma enquete no meu Instagram e o resultado foi de 72% sim, eu tenho ciúmes, e 28% não, eu não tenho ciúmes do meu marido.

E aí? Você acredita neste resultado? E você? Tem ciúmes do seu parceiro?

Sim, eu tenho ciúmes do meu marido e o controle dessa emoção é importante. Além disso compreender os gatilhos que deflagram essa emoção é um aspecto relevante.

E qual tipo de ciúmes eu tenho dele? De uma autoavaliação posso afirmar que é um ciúme 100% sinalizador, cuidadoso, equilibrado, com razoabilidade. E o que eu faço com essa emoção, quando ela surge é um ponto importante a ser discutido.

Concordo que a prática deste controle muitas vezes está distante da teoria. É que cada relacionamento que se constrói, às vezes nos liberta e às vezes também nos prende. Se o ciúme estiver fora do limite, do seu controle, essa emoção prende e frustra nossa possibilidade de ter esperança, nosso desejo de construir um futuro e de ter confiança em nós mesmos e no parceiro.

Ciúme possessivo

Um Relacionamento com ciúme possessivo destrói, aos poucos, quem você é. Não é à toa que muitas mulheres terminam casamentos ciumentos e ficam com o pensamento: “Nunca mais quero me casar com homem ciumento! ”. Isso acontece ou já aconteceu com você?

Fique comigo, pois neste artigo desejo compartilhar com você:

ciumes

O que é o ciúme?

Sem culpa, crítica ou julgamento, falar de ciúmes acaba remetendo a nós mesmos compreender o que seja essa emoção.

O ciúme é um estado emocional que pertence ao ser humano, que pode surgir pela falta de exclusividade de sentimento, de dedicação e de cuidado por parte da pessoa de quem se gosta.

O ciúme também pode aparecer como uma reação da pessoa a uma ameaça, perceptível ou não,a algo que este acredita possuir, como uma relação valiosa ou que tenha apreço e teme perder. O ciúme se manifesta na possível falta de confiança no sentimento do outro, ou na própria baixa autoestima e se transforma em medo de perder o companheiro.

No casamento é comum a manifestação do ciúme entre os cônjuges, principalmente quando um dos parceiros percebe que o seu companheiro esteja “deixando-o(a) de lado” para dar uma maior atenção à outras pessoas, ou situações.

Preste bem atenção, a auto-observação e a observação de como é a sua relação com seu marido, é uma prática importante para identificar os sinais do ciúme e em que grau ele se encontra em seu casamento. Veja se o seu ciúme traz resultados positivos ou negativos ao seu casamento.

Quando se alcança o sentido de cuidado ou zelo por alguém, pode ser um sentimento benéfico. Por outro lado, quando o ciúme está associado, por exemplo, a egoísmo, ao desejo de que a pessoa amada não se relacione amigavelmente com outras pessoas, controle excessivo, ou suspeita constante de infidelidade, o ciúme pode se transformarem paranoia, ou numa patologia, e requer cuidados ou tratamentos médicos e ou psicológicos.

Por que sentimos ciúmes?

Todos nós desejamos ser amados, reconhecidos e fazer parte da vida de alguém. Ao longo da nossa formação, se em algum momento experimentamos situações negativas às nossas necessidades, podemos desenvolver diversas emoções, entre elas o ciúme.

Existem muitas razões pelas quais sentimos ciúmes. É muito importante que, para compreender e controlar esse sentimento, entendamos quais são as suas origens e raízes que o desencadeiam. Algumas das principais razões de sentirmos ciúmes são:

Ausência de amor próprio

A ausência de amor próprio tende a fazer com que você coloque todas as suas expectativas no amor do seu parceiro. O problema dessa situação é que ele não irá conseguir suprir a ausência do seu amor próprio e, portanto, você corre o risco de ter dificuldade em sentir-se completa, mesmo controlando a vida do seu parceiro.

Confira nosso artigo: Amor próprio: Saia da baixa autoestima

Insegurança

Esta insegurança está relacionada à sua falta de não dar valor a suas competências. Quando você se considera uma mulher insegura e que não confia em suas habilidades e capacidades, isso poderá lhe fazer desenvolver o ciúme pelo seu parceiro.

Nesse caso, você poderá acreditar que os outros serão sempre superiores a você, que merecem ser mais amados, que realizam melhor determinada atividade, ou que obtêm melhores resultados do que você. Dessa maneira, você se sentirá ameaçada diante de qualquer pessoa ou situação e, mesmo que estas não apresentem riscos, poderão gerar a falta de segurança em seu relacionamento e desenvolver o ciúme.

Necessidade em se autoafirmar

Observe se este é o seu caso. Sendo você uma mulher ciumenta, você tem medo de não ser suficiente para o seu marido e acredita que a qualquer momento poderá ser abandonada? Com isso, você desenvolve a necessidade de se autoafirmar por meio do controle total sobre o seu parceiro? A confiança é um pilar necessário, que solidifica o relacionamento, enquanto o controle excessivo desgasta o casal.

Causa de infância

Aqui vai uma super sacada quanto à necessidade de se ter consciência de onde você veio e como foi criada. Pode ser que diferentes situações vividas na sua infância possam ter te influenciado a se tornar uma pessoa ciumenta. Busque em sua memória: você foi a filha mais velha que precisou dividir a atenção da sua mãe com o irmão que acabou de nascer? Ou foi a filha que se sentiu traída quando o pai traiu a mãe? Ou você presenciou cenas fortes de ciúmes do seu pai ou da sua mãe?

Caso tenha presenciado ou convivido com pais ciumentos, você poderá reproduzir este comportamento quando se relacionar com alguém. Alguns especialistas no assunto afirmam que pessoas que foram abandonadas e/ou rejeitadas na infância também tendem a se tornar adultos ciumentos, pois carregaram a crença de que podem ser abandonadas ou rejeitadas a qualquer momento.

O importante aqui é você ter um olhar consciente e de perdão para sua história de vida e descobrir o que existe por trás deste seu comportamento ciumento. Sugiro, fortemente que, ao se redescobrir quanto ao seu passado, ressignifique essas memórias que trazem dor e que moldam a sua vida hoje.

Você pode ter vivido todas estas situações em um passado remoto, mas hoje não vive mais! Pense que agora está tendo uma oportunidade de construir o casamento que deseja ter, e livre do ciúme. O poder de mudança é todo seu!Se necessário busque por ajuda!

Causas do ciúme

Como já mencionado acima, as causas que geram ciúme podem ser variadas de acordo com as pessoas e as relações, mas a sua base é sempre uma questão de insegurança, falta de autoconfiança e baixa autoestima.

A insegurança, falta de autoconfiança e baixa autoestima, podem ter origens anteriores, por exemplo, oriundos de outros relacionamentos amorosos que você teve,ou, como já comentado anteriormente, ser provenientes das suas lembranças da infância, de uma relação ciumenta entre seus pais. Se este for o seu caso, poderá replicar para o seu parceiro ou amigos a sua necessidade de afeto e carência que vem desde a sua “casa de infância”.

Por fim, outra causa comum que costuma gerar ciúmes é ter vivido alguma experiência de humilhação, ou trauma, que acaba afetando a sua autoestima e te conduz ao ciúme extremo.

Tipos de ciúmes

A emoção do ciúme, como dito aqui, é normal, inerente ao ser humano. Ela pode ter um lado nocivo, negativo, ou pode ter o lado positivo como já comentado. O ciúme é uma escolha que cabe somente a você. Que tal entender o seu ciúme?

Listarei aqui alguns tipos de ciúmes que encontrei na literatura especializada. Gostaria que você marcasse aqueles com os quais você mais se identifica:

Ciúme cuidadoso/sinalizador

Esse é do tipo dito positivo, se ocorrer com equilíbrio, é claro! Sim, o ciúme pode ser uma emoção que nos ensina a controlar os nossos sentimentos pelo nosso parceiro. Avalie se você tem o hábito de cuidar do seu parceiro, e automaticamente sentir a necessidade de proteger essa pessoa. E sente ciúme se ele é desprezado ou maltratado.

Ciúme egoísta

Esse é do tipo negativo. Este ocorre quando a sua relação com seu parceiro não respeita a individualidade do outro. Este ocorre quando qualquer coisa só tem valor quando você tem suas expectativas atendidas, ou seja, quando tudo é seu, no seu tempo e à sua maneira. O “eu” se torna destaque e o “nós” fica sempre em segundo plano.

Ciúme dramático

Neste tipo de ciúme, também negativo, você tem comportamentos dramáticos e infantilizados para agredir o seu parceiro.

Ciúme paranoico

Você pode se enquadrar nessa categoria quando fica sempre desconfiada de qualquer comportamento ou postura do seu marido. O seu instinto de defesa está sempre em alerta, pois tem certeza que seu parceiro será seduzido e “roubado” a qualquer momento. Passa pela sua cabeça contratar um detetive e, se não, você mesma faz o papel de investigadora, sem perder qualquer oportunidade de conferir o celular, bolsos e o computador do parceiro.

Ciúme patológico

Preste bem atenção! Nesse caso, normalmente você entende que cada gesto, palavra e atitude do seu parceiro são provas evidentes de infidelidade. Seus sentimentos predominantes são de insegurança e sofrimento, pois você tem a mais absoluta certeza de que, se ainda não foi traída, o será, sendo isso apenas uma questão de tempo.

E aí? Você acredita ter pelo menos um desses tipos de ciúmes? Você marcou mais de um tipo? Compartilhe sua resposta comigo, já estou curiosa. Onde compartilhar a sua resposta?

Pode ser nos comentários no final deste conteúdo ou pode ser nas minhas redes sociais:

Consequências do ciúme

Eu sempre digo que somos seres dotados de muitas emoções. Acredito que não conseguimos controlar o surgimento das emoções, uma vez que são provocadas por gatilhos internos e/ou externos, mas temos todo o potencial para buscar saber o que fazer com elas.

Eu adoro essa frase de Jean Paul Sartre: “Não importa o que a vida fez de você, mas o que você faz com o que a vida fez de você”, pois faz referência ao esforço que devemos empregar para buscar aquilo que queremos, sem esperar pelo destino ou sorte.

Você tem o marido e o casamento que merece! Eu sei que é difícil ler isso, mas é verdade. Eu sempre digo: “busque ser causa e não consequência no seu casamento”. Isso significa que você deve ser a causa de mudança, de melhoramentos no seu relacionamento e não ficar sofrendo pelas consequências do que acontece de ruim, tome as rédeas da sua vida e não deixe seu casamento seguir à deriva.

Se o ciúme é uma emoção que você não sabe controlar, você irá permanecer sofrendo e vivendo as consequências dessa emoção. Veja aqui alguns exemplos:

Agressividade

Você pode se tornar uma pessoa com atitudes irracionais no momento em que se deixar levar pelo ciúme e a consequente agressividade. A sua baixa autoestima pode conduzi-la a ter pensamentos negativos, como acreditar que seu parceiro está se comportando de forma inadequada perante você, ou terceiros.

Isto fará com que você se torne hostil, e até mesmo agressiva, com seu marido ou com alguém ligada a ele. Muito cuidado para que esse comportamento não se torne frequente no seu relacionamento!

Desgaste

Geralmente, uma das consequências do ciúme é a ocorrência frequente de brigas corriqueiras. Esta frequência de brigas acaba promovendo muito desgaste na relação, principalmente para o parceiro que convive dia a dia com a pessoa ciumenta.

Este poderá sentir-se sufocado, preocupado em cuidar exageradamente de cada comportamento ou atitude que irá tomar, simplesmente para que não passem a ser justificativa para o outro sentir ciúmes. Porém, na verdade, nada disso resolverá, pois geralmente o problema não está nele, e sim, em quem sente o ciúme.

Isso tem acontecido com você? Este desgaste na relação, é uma das principais ameaças ao seu casamento. Causa sofrimento e pode transformar, de uma hora para outra, bons momentos em pesadelos.

Falta de comunicação

A falta de impor limite ao ciúme irá afetar,diretamente, a qualidade da comunicação entre você e seu marido. Coloque-se no lugar dele e reflita. A pessoa que convive com o ciumento nato desiste, com o tempo, de contar suas experiências do dia a dia, de falar sobre coisas simples, mas que poderão gerar uma discussão, já que o ciumento sempre encontra motivo para sentir ciúmes tanto do parceiro, quanto dos fatos que o envolvem.

Confira nossos artigos sobre comunicação:

O término da relação

Esta é a consequência mais triste que o ciúme pode causar no casamento. Dificilmente um casal consegue manter a relação saudável e estável por muito tempo, quando o ciúme rege a sua convivência.

Cuidado! Se você se vê uma pessoa muito ciumenta, que tal buscar ajuda sem demora?

Como controlar o ciúme?

Ao logo de todo o texto foram dados vários recursos para conscientizar você quanto a esse tema, ciúmes. Agora, como coach criacional de relacionamentos, eu desejo provocar ainda mais com perguntas que a farão pensar:

– Você se considera ciumenta? Que tal fazer uma autoanálise se é, ou não, uma esposa ciumenta? Caso seja, que tal assumir e trabalhar este ciúme?

– Seu parceiro é ciumento? Caso seja, que tal buscar ajuda para combater este ciúme que afeta a você e à sua relação?

– Observe a si mesma. Você consegue refletir sobre os motivos que levam você a sentir ciúmes do seu parceiro?

– Que tal falar sobre o assunto, sem medo de crítica ou julgamento?

– Faça uma análise dos seus antigos relacionamentos. O que experimentou ao conviver com o ciúme?

– Como foi a relação dos seus pais? Foi de ciúmes? O que você aprendeu com aquela relação?

– Você se compara com a “ex” dele? O que acha de ser autêntica, parar de se comparar a outras pessoas e sempre utilizar a sua melhor versão?

– Pense em você, internamente! Que valor você tem dado a si mesma?

– Que tal experimentar fazer coisas sozinha e também com outras pessoas? Mas, que neste momento,não seja o seu parceiro!

– Você tem o hábito de “emburrar”? Que tal praticar falar o que sente?

– Você se considera uma esposa controladora? Faça esta auto-observação!

– Você acredita que há possibilidade de cura para o seu ciúme, ou o dele?

– Você aceitaria fazer algum tipo de tratamento para cuidar do seu ciúme? Ou indicaria para ele?

Como lidar com parceiro ciumento?

Pensa comigo: para lidar com nossas emoções é preciso de equilíbrio. Sim ou não? Sim, é claro! E não será diferente com a emoção, do ciúme.

Como já mencionado anteriormente, o ciúme também tem o seu lado positivo. Se bem dosado, pode ser um eficiente instrumento de zelo, proteção, cuidado e sinalização. Quaisquer reações diferentes necessitarão de uma análise e de um cuidado “dobrado”.

Porém, cabe a você identificar e ter a consciência se está hoje convivendo com um parceiro ciumento: qual o grau do ciúme dele? E que tipos de ciúmes ele tem demonstrado?

Veja se identifica esses sinais em seu marido: medo de te perder, desconfiança quanto à sua fidelidade, ansiedade em controlar o seu futuro, não respeita as suas vontades, desejos, individualidades e escolhas? Frequentemente tem o comportamento de querer impedir você de ir aonde deseja,quer determinar aonde vai,quer indicar com quem você deve conviver,ou que roupa usar?

Cuidado! Estes são sinais evidentes de que você possa ter ao seu lado um marido extremamente ciumento. Confira agora umas ferramentas para te ajudar a construir meios de lidar com um parceiro ciumento:

Demonstre compreensão

Busque demonstrar a ele, de maneira clara e tranquila, a sua segurança em relação ao casamento e a todas as situações que o envolvem. Jamais minta para ele!

Diálogo aberto

Cabe a você, diante de uma crise de ciúmes dele, esperar o momento propicio para um diálogo. E, neste momento, a escolha de palavras para uma comunicação sem acusação ou argumentação é fundamental. Que tal sempre esperar pela calmaria para se ter um diálogo harmonioso e aberto?

Crítica ou julgamento

Com certeza é preciso evitar culpá-lo ou hostilizá-lo por sentir ciúmes, mas é preciso buscar uma solução. Por mais desafiador que seja, e vai ser, busque demonstrar carinho e compreensão no momento de crise. Tenha paciência! A paciência é uma virtude que se conquista com prática diária e contínua.

Alimente a autoconfiança dele

Seu marido pode ter erroneamente aprendido, em algum momento de sua vida regressa, que provocar uma cena de ciúmes pode ser uma prova de amor. Sim, isso é possível e pode, inclusive, acontecer de maneira inconsciente por parte dele.

Por isso, verifique se seus comportamentos não alimentam a insegurança dele. Lembre-se de fazê-lo sentir-se parte da sua vida, faça questão de sempre o incluir no seu dia, apresente-o aos seus amigos e familiares. Em alguns momentos específicos o incentive a sair com os amigos sem você, ou a praticar atividades que não a incluam.

Posicione-se

Se o ciúme dele atingiu o grau do intolerável e,por consequência, levou o relacionamento a um nível insustentável, repleto de desconfianças, ofensas e falta de respeito, ao ponto de “minguar”o amor, posicione-se! Procure por ajuda. Que casamento você deseja ter?

Conclusão: Existe um lado bom no ciúme?

Não vamos terminar esse artigo com o gosto ruim das consequências que o ciúme excessivo pode trazer, afinal eu sou defensora do casamento longo, saudável e prazeroso.

Como você deve ter identificado, o ciúme é uma emoção inerente ao ser humano, ou seja, ele faz parte da nossa vida. Ele pode ser saudável, quando está na esfera do cuidar, zelar, proteger e sinalizar.

Dessa maneira o ciúme pode ser um sentimento que não atrapalha, controla ou machuca a vida do outro e nem a de si próprio. Aqui o ciúme cuida e protege.

Reflexão sobre ciúmes

Eu verdadeiramente espero que, ao ler esse artigo, você não apenas possa identificar que tem um parceiro ciumento ou que se viu como uma esposa ciumenta. Não tenha receio de buscar ajuda. Está tudo bem em descobrir quem você é realmente, ou ter o parceiro que tem. Lembra-se da frase que adoro? “Não importa o que a vida fez de você, mas o que você faz com o que a vida fez de você” – Jean Paul Sartre.

Jamais deixe de trabalhar a sua autoestima, autoconfiança e seu controle emocional. Aposte sempre nos pensamentos positivos, no diálogo, no respeito, na cumplicidade, no amor. Pratique hábitos saudáveis, como atividade física e boa alimentação. Compreenda a importância de saber dizer sim e não, de acordo com a necessidade.

Fez sentido?